Cosmologias

[vc_row][vc_column width=”1/6″ css=”.vc_custom_1467360650255{margin-top: 10px !important;margin-bottom: 10px !important;padding-top: 0px !important;padding-right: 40px !important;}”][/vc_column][vc_column width=”2/3″][nd_options_spacer nd_options_height=”10″][nd_options_text nd_options_text_tag=”h1″ nd_options_text_weight=”bold” nd_options_text_family=”nd_options_first_font” nd_options_text_align=”center” nd_options_text=”Os nossos projetos com Povos Originários são circularidades educativas fundamentadas em metodologias participativas realizadas por professores e estudantes universitários que almejam construir experiências culturais e cosmológicas com estas comunidades. Os participantes são membros do Núcleo de Ensino Pesquisa e Extensão em Experiência do Sensível (NUPEEES) e do Grupo de Estudos e Pesquisa em Imagem, Tecnologia e Infâncias da UFES. Nossos estudos e pesquisas nas comunidades e nos territórios originários são realizados com consultas prévias realizadas a partir do aceite destes povos cumprindo os protocolos de consentimento livre e esclarecido. Entre nossas identidades e subjetividades de pesquisas estão a formação de professores indígenas e quilombolas no entrelace de diálogo com as infâncias e adolescências, integrando as etnoformações aos círculos civilizatórios de conhecimentos desses povos e suas referências têm nos inspirado a uma escuta sensível dos conhecimentos milenares herdados das gerações passadas em espaços escolares de Educação Indígena e Quilombolas.” nd_options_text_font_size=”20″ nd_options_text_color=”#224c26″ nd_options_text_line_height=”30″ nd_options_class=”nd_options_text_align_center_responsive_important”][/vc_column][vc_column width=”1/6″][/vc_column][/vc_row][vc_row css=”.vc_custom_1645115604296{padding-top: 10% !important;}”][vc_column][vc_row_inner][vc_column_inner width=”1/2″][vc_column_text el_class=”nd_options_text_align_center_responsive”]O objetivo deste coletivo é conhecer as estéticas de conhecimentos artísticos, educativos e culturais dos povos indígenas Pataxó e Payaya (Bahia), Tupiniquim e Guarani do Espirito Santo e povos do rio Guajará, povos da “água grande” da região Transxingu na Amazônia Paraense. A arquitetura da nossa  proposta consiste em aprender em situação e em atos educativos as cosmologias destes povos  por pesquisas etnográficas,  integrados a roda de conversas, terreiros lúdicos com as crianças, círculos de saberes literários indígenas,  conhecendo as  identidades na especificidade de suas culturas (histórias, línguas e culturas literárias nativas), manifestas em suas representações de mundo, construindo alianças na firmação destes projetos orientados por afirmações identitárias destes povos em seus direitos de existência e resistência.[/vc_column_text][/vc_column_inner][vc_column_inner width=”1/2″][vc_column_text]Os projetos e experiências com crianças e professores indígenas, são realizados desde 2005, ininterruptamente, incluindo o tempo de pandemia. A criação desta plataforma online tem como propósito compilar os saberes e experiências memoráveis dos povos floresta nas circularidades das suas autorias culturais.

A exposição de fragmentos dos projetos Originários neste espaço virtual vivenciados com as comunidades indígenas possibilita um despertar identitário do público que acessam os nossos conteúdos de conhecimentos das culturas destes povos, associados a pertença a seus territórios vinculados aos ciclos da mãe natureza em suas sabedorias e aberturas a espiritualidade da mata e das florestas.

Sejam bem-vindos aos círculos de saberes de conhecimentos Tupiabá.

Aweré![/vc_column_text][/vc_column_inner][/vc_row_inner][/vc_column][/vc_row][vc_row full_height=”yes” columns_placement=”top” equal_height=”yes” content_placement=”top” css=”.vc_custom_1644418955923{padding-top: 10% !important;}”][vc_column][vc_row_inner][vc_column_inner][nd_options_text nd_options_text_tag=”h3″ nd_options_text_weight=”bold” nd_options_text_align=”center” nd_options_text=”Participação e eventos” nd_options_text_color=”#af1613″ nd_options_text_font_size=”42″ nd_options_text_line_height=”52″][/vc_column_inner][/vc_row_inner][vc_row_inner equal_height=”yes” content_placement=”top” css=”.vc_custom_1645658431660{padding-top: 10% !important;}”][vc_column_inner width=”1/5″][nd_options_magic_popup nd_options_image=”1974″][/vc_column_inner][vc_column_inner width=”1/5″][nd_options_magic_popup nd_options_image=”1972″][/vc_column_inner][vc_column_inner width=”1/5″][nd_options_magic_popup nd_options_image=”1973″][/vc_column_inner][vc_column_inner width=”1/5″][nd_options_magic_popup nd_options_image=”1971″][/vc_column_inner][vc_column_inner width=”1/5″][nd_options_magic_popup nd_options_image=”1847″][/vc_column_inner][/vc_row_inner][/vc_column][/vc_row]